10 de jun de 2010

Lançamento da Plataforma da Juventude para as Eleições 2010

 O lançamento da Plataforma da Juventude para as Eleições 2010 ocorreu durante o I Festival das Juventudes em Fortaleza e coroou todo o processo construtivo do evento


 
O lançamento da Plataforma da Juventude para as Eleições 2010 realizado na noite de sábado (5) durante o I Festival das Juventudes em Fortaleza, coroou todo o processo construtivo do Festival, marcado pela unidade e participação da diversidade de movimentos juvenis organizados.
Construída de forma coletiva e coordenada pelo Fórum Nacional de Movimentos de Organizações Juvenis (FONAJUVES), a Plataforma é um documento com reivindicações de movimentos e organizações autônomas que visa alterar a realidade vivida pela maioria da Juventude.
"A unificação das mais diversas bandeiras de luta em uma Plataforma é expressão da nossa vontade em avançar rumo às transformações que a juventude e o povo brasileiro precisam. Ela deve ser um instrumento de pressão que contribua para a organização de campanhas nacionais que pautem a ampliação dos direitos juvenis", ratifica a secretária da Juventude da CUT, Rosana Sousa, presente a mesa de lançamento da Plataforma.
Rosana aproveitou a ocasião para destacar a importância da continuidade, do diálogo com os mais variados setores, instâncias e sindicatos. "E neste sentido que nós, da juventude da CUT, gostaríamos que o FONAJUVES também integrasse a CMS. Hoje, temos organizações importantíssimas que fazem parte da Coordenação, como a CUT, UNE, UBES, Marcha Mundial das Mulheres e isso só fortaleceria a unidade da juventude brasileira." Momento de reafirmação.
Representando o campo internacional, o presidente da Organização Iberoamericana Juventude, Miguel Alejandro Blancas, fez uma breve saudação e ressaltou o orgulho no qual ele sentia por estar participando da atividade. Ele elogiou a atuação dos movimentos de juventude latino-americana e expressou sua vontade em integrar as ações da Organização Iberoamericana com estes movimentos.
O presidente do Conselho Nacional da Juventude e secretário adjunto da Secretaria Nacional da Juventude, Danilo Moreira, ressaltou em sua fala os vários momentos onde as organizações sociais mostraram o seu protagonismo. "Quem participou do processo do Fórum Social Mundial em Belém sabe o simbolismo que foi você ter aqueles presidentes de grandes nações ao lado dos movimentos sociais do mundo inteiro. Eu acho que este simbolismo de certa maneira, reaparece aqui. Este festival é mais um momento de reafirmação de uma geração que criou e fez surgir no Brasil a resistência ao neoliberalismo."
Antônio Neto, da juventude do MST, lembrou que o lançamento da Plataforma da Juventude estava finalizando uma semana onde os movimentos sociais e sindical construíram e aprovaram a Projeto Nacional e Popular na Assembleia da CMS e a Plataforma da Classe Trabalhadora na Assembleia das Centrais Sindicais demonstrando mais uma vez a capacidade de construir e lutar de forma conjunta."
Na disputa contra o imperialismo, conforme destaca Augusto Chagas, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), a juventude está tendo uma oportunidade de vivenciar nos dias atuais um mundo que passa por transformações. "Nós precisamos saber que numa disputa contra o imperialismo, como nos vimos nesta semana o ataque que Israel fez contra o navio humanitário que tentava chegar na Faixa de Gaza, que eles vão continuar se organizando para impedir que as transformações aconteçam no mundo, mas nós temos que ter noção também que tem fortalecido a visão da transformação, o questionamento da juventude por novas mudanças e numa conjuntura como essa é muito importante que a gente possa incluir nossas lutas e conquistar mais direitos."
Além dos representantes citados acima, a mesa também contou com a participação das seguintes lideranças: Carlos Odas, chefe de gabinete da Secretaria Nacional da Juventude; Lucas Bezerra, coordenador da Pastoral da Juventude regional Ceará; Renata Bhering, do Fórum Estadual da Juventude do Rio de Janeiro; Renata Beatriz, representando a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES); Rogério Chaves, do Movimento Hip-Hop Organizado (MH2O); Louise Félix, da Marcha Mundial das Mulheres; Flávio Vinicius, da Secretaria Municipal de Juventude de Fortaleza; e Gabriel Medina, do FONAJUVES.

6 de jun de 2010

Festival das Juventudes encerra atividades

O show de encerramento foi um reflexo de toda a efervescência do I Festival das Juventudes em Fortaleza - América Latina e as Lutas Juvenis. No espaço Chico Science, as bandas locais "Zàs" e "Fulô de Aurora" animaram os presentes com uma mescla de músicas regionais, pop, autorais e antigos sucessos de artistas consagrados. Em seguida, no espaco Mercedes Sosa, Luiz Melodia e Zeca Baleiro encerraram a agenda cultural do I Festival das Juventudes de Fortaleza. A prefeita Luizianne Lins também esteve presente.

Durante o festival, todos os jovens, mesmo que plurais, estavam conectados em uma mesma energia. As juventudes deram uma aula de harmonia e convivência comunitária. Foram mais de 4,5 mil credenciados para participar dos espaços de discussão política, oficinas, minicursos, dentre outras pessoas que vieram para curtir a agenda cultural.

Luiz Melodia comenta que o festival tem o papel de fortalecer a participação juvenil nas discussões sobre as políticas voltadas para a categoria. Afirma ainda que ele soma no festival com a sua música, sua arte. Zeca Baleiro parabenizou o festival por ter um caráter gratuito, acessível a todos e não somente aos participantes credenciados.

A prefeita Luizianne Lins, em sua fala aos presentes durante o show de encerramento, observou que a Gestão Fortaleza Bela acredita no potencial das juventudes, apostando em um próximo festival já para o ano de 2011. Reafirmou também a importância do evento enquanto espaço aberto para discussões das políticas públicas voltadas para as juventudes. Luizianne Lins espera ainda que os jovens se engajem cada vez mais nos espaços políticos, tendo uma participação mais ativa na construção de um país mais justo.

O I Festival das Juventudes em Fortaleza - América Latina e as Lutas Juvenis aconteceu entre os dias 3 e 6 de junho, no Clube Cofeco, e obteve a participação de mais de 4,5mil credenciados. A programação contou com a realização de palestras, oficinas autogestionadas, seminários, feiras de economia sociosolidária, encontros de movimentos e organizações, apresentações culturais e artísticas e shows de bandas locais e nacionais. Os temas principais abordados no encontro foram: políticas públicas de juventude na América Latina, lutas e organizações juvenis e a conjunta política na América Latina.

Para saber mais sobre o que aconteceu no Festival das Juventudes, basta acessar o site que traz toda a cobertura da equipe de comunicação colaborativa: http://www.fortaleza.ce.gov.br/festivaldasjuventudes.

Comunicação Colaborativa

5 de jun de 2010

Por trás da notícia – a Comunicação Colaborativa

A Comunicação Colaborativa do Festival, formada por crianças e jovens de diferentes cidades do País, não pára quieta! Também, são tantas atrações o dia todo que têm sempre alguém correndo de um lado para outro tentando não perder nenhum momento. Claro que não é possível reportar tudo que está acontecendo por aqui. São 5 mil pessoas em mais de dez espaços, sem contar a galera que vêm assistir os shows à noite. Mas a gente tenta!

Clarissa Diógines, Coordenadora de Comunicação do Festival, conta um pouco sobre a proposta da Comunicação Colaborativa: “a ideia da Comunicação Colaborativa surgiu para que o jovem possa se expressar e para que as pessoas vejam o olhar do próprio jovem sobre o encontro. A gente já recebeu diversos meio de comunicação, a imprensa comercial, e eles colocam o olhar deles nos seus veículos. Então, o nosso objetivo é garantir a visão dos jovens”.

Ela avalia a ação de forma muito positiva. “A rádio- poste está servindo para a comunicação interna do festival e assim as pessoas sabem o que está rolando. E o pessoal que está frequentando o telecentro também têm acesso ao blog e pode se ver e ver o que está acontecendo”.

Então galera, continue acompanhando as notícias que estamos fazendo!

Carol

Comunicação Colaborativa

Reike, Massoterapia, Yoga e Tai Chi fazem parte da programação da Tenda da Saúde


Quem não gosta de ser cuidado? Pois é, todo mundo curte carinho, toque e receber atenção. Principalmente quando não estamos com nosso corpo 100%. Aqui no Festival, os cuidados estão disponíveis para todas e todos.

Maura Alves, coordenadora de saúde e sua equipe organizaram para a Tenda da Saúde diversas formas dos participantes ficarem com seu corpo em equilíbrio. Além do atendimento padrão, que conta com ambulatório e emergência 24 horas, com UTI móvel, a Tenda ainda oferece práticas de Yoga e Tai Chi pela manhã e Reike e massoterapia a tarde. São as chamadas práticas integrativas e complementares de cuidado.


Antônio Edivan Florêncio, mestre em Reike e massoterapeuta da Cirandas da Vida, projeto da Secretaria de Saúde de Fortaleza, explica que essas práticas promovem relaxamento e a integração do corpo. “Nós lutamos para que essas práticas se tornem políticas públicas, para que o conhecimento ciêntifico e o popular sejam trabalhados juntos”, disse.

Talvez seja pelo auxílio dessas práticas que, com 5 mil participantes, apenas dois jovens foram encaminhados para o hospital e já voltaram ao Festival. “A maior preocupação hoje são os casos de desidatração e insolação. Hoje atendemos 35 pessoas com os sintomas.” Por isso galera, beba muita água, pois o sol está de rachar!

Então, fica aí outra dica para quem estiver amanhã, no último dia do festival: passe na Tenda da Saúde para receber Reike ou massoterapia e participar das aulas de Tai Chi e Yoga!


Alcindo e Carol

Comunicação Colaborativa


Estudantes discutem a atual realidade da nossa educação em nivel nacional

Aconteceu hoje 05/junho das 9:000hs as 12:30 o debate sobre o moveimento estudantil brasileiro e a atual situação da educação em nivl nacional. Este debate foi realizado durante o I Festival das Juventudes de Fortaleza.
O debate contou com a presença das seguintes autotidades: Lucelio Moura (ditetor de Relações Internacionais da UNE), Renata Beatriz ( Presidente da UNEFORT), Vinicius (Diretor da ACES), Thiago (Vice-presidente da UNE), e alguns representantes da CUT, APEOESP. O evento contou ainda com 600 jovens, que discutiram quais os avanços na educação durante os 8 anos do Governo Lula.
Ao final, os estudantes em plénaria descidiram que; é presico unificar as forças estuantis, em prol de uma educação de qualidade, pois só com essa união, conseguiremos lutar contra aqueles que querem destruir os avanços conquistados até agora.

Imprensa colaborativa

Alguém na escuta?!?

Além dos rádios que encontramos com o pessoal da organização, quem está participando do Festival também tem a sua. A rádio instalada no espaço da comunicação está aberta aos jovens e a todos e todas que querem fazer parte da programação mais que diversa. Quer dar um recado, fazer uma reivindicação, pedir ou trazer uma música, é só se chegar. A programação do evento está sempre em discussão nos espaços e em divulgação pelas caixinhas de som e cornetas espalhadas pelo corredor que leva aos vários espaços do Festival.

Agência Jovem de Notícias (Catavento)

Comunicação Colaborativa

Lutas e resistências da juventude negra são debatidos

Aprofundar o debate nacional, fortalecer ações do movimento de juventude negra e aliar as parcerias como o poder público. Estes são uns dos objetivos do seminário chamado Lutas e Resistências da Juventude Negra. A atividade acontece durante todo o dia no Espaço Dandara, às 10h, e reuniu pessoas de todo o país para discutir a organização e a militância da população.

Em Fortaleza, segundo a pesquisa Retratos da Fortaleza Jovem, realizada em 2008, 51% dos jovens entrevistados se consideravam pardos e 13%, negros. Para Luiz Bernardo, titular da Coordenadoria da Igualdade Racial, movimento negro deu um salto muito grande nos últimos anos. “E os movimentos de juventude negra não podiam ficar fora desse movimento”, explica Bernardo.

O seminário segue durante todo o dia com mesas que discutirão juventude negra ontem e hoje; desafios e perspectivas das políticas e ações afirmativas para a juventude negra; juventude, comunicação e participação política. No final dia, acontece a conferência: Práticas e estratégias para o fortalecimento da organização da juventude negra.

Comunicação Colaborativa

Saiba um pouco sobre uma das atividades que está acontecendo no Festival

ESPORTE DO MANGUE (Diretoria de Esporte e Juventude – Prefeitura da Cidade do Recife)

Criado pela Prefeitura da Cidade do Recife (PCR) há aproximadamente 08 anos, o FESTIVAL ESPORTE DO MANGUE é de responsabilidade da Diretoria de Esporte e Juventude do Geraldão. O Espaço Pagu, durante a manhã de hoje (05), recebeu o Esporte do Mangue.

O ESPORTE DO MANGUE é um espaço de discussão sobre políticas públicas de esporte e lazer para juventudes de todo o Recife. As atividades do FESTIVAL ESPORTE DO MANGUE são baseadas nos princípios dos Círculos Populares de Esporte e Lazer (CPEL) sob a ótica de levar esportes radicais para os mais variados públicos que se encontram no seguimento juvenil.

Skate, Le Parkour, Break Dance, Patins, Capoeira e BMX interagem de maneira coletiva durante todo o período do FESTIVAL ESPORTE DO MANGUE. Estas linguagens são realizadas em vários aspectos: desde uma vivência até a construção de documento que relate as atividades vividas durante o período.

Além de atividades esportivas o ESPORTE DO MANGUE conta, em sua programação e estruturação, com um espaço para divulgação do trabalho de bandas e grupos alternativos e /ou independentes das próprias comunidades e bairros nos quais o evento acontece. Ao final do ciclo de um ano de produção o festival culmina com um evento de lançamento do CD ESPORTE DO MANGUE que contém músicas de todas as bandas que participaram do ciclo; além das atividades de esportes radicais.

Para saber mais sobre o FESTIVAL ESPORTE DO MANGUE:
ORKUT: ESPORTE DO MANGUE
EMAIL: esportedomangue@hotmail.com
RESPONSÁVEL: Aline Fagundes – 81 8554.6803
alinesodunatura@hotmail.com
JORNALISTA RESPONSÁVEL: Jan Belarmino – 81 8606.4186
janbelarmino@gmail.com/ @janbelarmino

Continue acompanhando o I Festival das Juventudes!

Jan Belarmino (CPEL)
Comunicação Colaborativa

Janaina Dutra e Dandara: representações femininas no Festival das Juventudes


Elas são exemplo para centenas de milhares de militantes por todo o Brasil e dão título a dois dos espaços de debate do I Festival das Juventudes, que termina amanhã, no Clube COFECO.

Conversamos com duas das palestrantes do Festival que estiveram em atividades realizadas nos espaços Janaina Dutra e Dandara: Didiane Souza e Silvia Maria Vieira.

Dediane, que é diretora do Grupo de Resistência Asa Branca – GRAB falou que Dutra, falecida em 2004, é um dos maiores ícones do movimento LGBT e de defesa dos Direitos Humanos no Brasil. Travesti, nascida em Canindé, advogada, militante, fundadora da Associação das Travestis do Ceará – ATRAC, uma das fundadoras do GRAB e depois presidente da Associação Nacional das Travestis – ANTRA, deixou um legado para todos os que lutam pela defesa de uma sociedade mais democrática. “Ela foi responsável pelo que nos entendemos hoje de luta em combate a homofobia”, completa Dediane.

A segunda personalidade com nome feminino nos foi apresentada pela Diretora do IJC, Silvia Maria Vieira, que é especialista em Africanidades e Juventude. Dandara foi a companheira do mártir Zumbi dos Palmares, também responsável pelos processos de resistência nos quilombos. Segundo Sílvia, são poucos os registros sobre Dandara, mas sua história se projeta como exemplo de força feminina. “Apesar da história muito forte, Dandara é uma mulher invisibilizada como muitas mulheres negras ainda hoje no país”, completa Sílvia.

Rafael Mesquita - IJC
Comunicação Colaborativa

IJC realiza plenária “Juventude em Pauta” no I Festival das Juventudes


O segundo dia do I Festival das Juventudes (04/06) recebeu atividade do Instituto de Juventude Contemporânea – IJC, que realizou a plenária “Juventude em Pauta”, no Espaço Pagu. O objetivo principal do evento foi debater os diversos tipos de organizações de juventudes existentes em nossa sociedade.

Cerca de 22 jovens, debateram temas como: política, educação, discriminação, falta de empregos e oportunidades.

Hanoy Barroso (Educadora do IJC), propôs uma dinâmica de abertura do evento, onde os jovens falaram o lado bom e o lado ruim de ser jovem.

Logo após, o jovem Paulo Luiz, argumentou um pouco da campanha “Quero Viver”, para todos os presentes no evento.

“Temos um espaço bastante amplo para debater os assuntos, relacionados à juventude”, afirmou Marcos Paulo Campos (Diretor do IJC).

Já, José Carlos, natural de São Paulo/SP, achou super interessante e bastante dinâmico o debate.

Deidiane Souza (Diretora do Grab – Grupo de Ressistencia Asa Branca) argumentou um pouco do projeto “Conviva”, que ela teve a oportunidade de participar, e disse ainda que orgulhe-se de ter se formado no IJC.

Rafael Mesquita (Coordenador do IJC) falou da importância do Site do IJC, para o debate relacionado à juventude.

O evento estendeu-se até ás 16h30min, e, encerrando a atividade, Camila Brandão (Coordenadora do IJC), propôs a criação de um mural ao redor da tenda do Espaço Pagu, fazendo assim a diferenciação dos outros espaços do festival, e deixando um marco dos jovens da plenária para o Festival.

Paulo Luiz
Comunicação Colaborativa

Seminário debate desafios da juventude negra


O I Festival das Juventudes em Fortaleza também recepciona o Seminário “Lutas e Resistências da Juventude Negra”, durante o dia de hoje (05/06), no espaço Dandara.
Reunindo jovens negros de vários estados brasileiros e representantes do movimento em torno das políticas de igualdade social e combate ao extermínio da juventude negra, o evento pretende, em quatro painéis temáticos e uma conferência, aprofundar o debate nacional entre as lideranças do movimento de juventude negra e do poder público, assim como um balanço da Política Nacional de Igualdade Racial.

A abertura contou a presença de Ismênio Bezerra (coordenador de juventude do Governo do Estado), Luís Bernardo (coordenador de Igualdade Racial da PMF), Fátima Mesquita (Secretaria de Cultura da PMF), Juliano Gonçalves (Conselheiro Nacional de Juventude) e Lucas Vieira (integrante da Juventude Negra Kalunga).

A primeira mesa trouxe as reflexões sobre o presente e passado da juventude negra, discutindo os impactos das atuais organizações nacionais de jovens negros, como o Fórum Nacional, maior organização de jovens afrodescendentes no Brasil, que nasceu após o ENJUNE – I Encontro Nacional da Juventude Negra. Segundo Enrico Vieira Rocha, do Coletivo de Juventude da Coordenação Nacional de Entidades Negras, após o ENJUNE, temos as primeiras grandes propostas ligadas ao segmento “A partir daí nós temos a gestão dos nossos projetos e colocamos para o poder público nacional as reais demandas de nossos jovens, discutida por eles”, completa Enrico.

Rafael Mesquita - IJC
Comunicação Colaborativa

Show do segundo dia de Festival é sucesso!

Foto: Rubens Venâncio

Em ritmo de paz e amor, a segunda noite (04) de apresentações artísticas do I Festival das Juventudes trouxe para a população fortalezense o melhor do reggae e do rap. Além das bandas locais, que trouxeram ritmos regionais e populares, o grupo Actitude Maria Marta, da Argentina, e a banda Tribo de Jah fizeram as juventudes participar de um momento único, sob o céu da Praia da Cofeco.

Em meio à multidão, que se aglomerou para assistir aos shows, jovens de vários cantos da América Latina acompanharam os grupos Vitrola de São Jorge, Dona Zefinha, Actitude Maria Marta e Tribo de Jah.



Esta foi a primeira vez que o Atictude Maria Marta se apresentou para os fortalezenses. E quanto à expectativa do grupo, Malena D'alessio, uma das vocalistas, observou que já era vontade sua conhecer o Ceará, e mais ainda a cidade de Fortaleza. E para Karen Pastrana, também vocalista, o idioma não atrapalhou em nada a interação com o público. "A música serve para que os povos e pessoas possam se comunicar. Ela une realidades", destacou.

Ainda sobrou tempo para uma brincadeira baseada na rivalidade entre o Brasil e a Argentina, no futebol. "Quem ganha o mundial?", foi a pergunta feita por Karen Pastrana. Para a sua tristeza, e esperança dos presentes, a resposta foi geral: Brasil!

Falando em nome de todo o grupo para um público de cerca de 2.500 pessoas, Malena D`Aléssio destacou que estava feliz por conhecer a música e a cultura do Nordeste brasileiro , onde se apresentaram pela primeira vez no Festival das Juventudes em Fortaleza e identificaram no Hip Hop local a mesma sonoridade advinda da luta de guetos e favelos de toda a América Latina. Malena destacou que a música tem o poder de desvelar o que a direita quer esconder e pregou a união entre todos os latino-americanos , sobretudo nesse momento em que as conquistas e os governos populares estão mais presentes no continente.

“Não conhecemos outro país no mundo que o Estado tenha a coordenação com o hip hop como acontece no Brasil. Mas, também percebemos que a televisão não quer que os povos saibam o que é feito de trabalho de base na Bolívia, Chile, Venezuela”, defendeu. Outro ponto que Malena assinalou foi que é possível usar a música e a cultura locais, ao invés da norte-americana, para alavancar os movimentos sociais e a própria história.

Com idéias bastante semelhantes às da sua banda favorita, o estudante de Ciências Sociais Pedro Victor Gadelha Mendes, assistia ao show empolgado ao lado da namorada, a estudante de Direito Dillyane de Sousa Ribeiro. “Elas trazem uma crítica radical, que sempre é saudável, ao capitalismo, e isso estimula o debate sobre o assunto”, assinalou ele. A namorada complementou: “E essa política de unir fóruns e discussões a grandes shows é superválida porque mesmo quem não está inscrito no encontro pode tomar contato com os temas que são trazidos para o evento”, ressaltou Dillyane.

Já Antonio Cabral, que está inscrito no I Festival das Juventudes em Fortaleza pela Casa Brasil, foi ao show para assistir Tribo de Jah, mas se encantou também com as outras apresentações da noite. “O show da Dona Zefinha foi muito bom e trouxe esse aspecto regional, e o Actitude Maria Marta valorizou a música produzida na América Latina. Achei que o mais legal delas é conscientizar que uma atitude vale mais que qualquer discurso”, evidenciou Cabral.

Mas o ponto alto da festa foi o show da Tribo de Jah. Com músicas conhecidas, o grupo agitou o público em Fortaleza. A cada música, a galera cantava junto com a banda, fortalecendo o vínculo entre o repertório e a temática do evento. E o Festival das Juventudes continua até o próximo domingo (06), com atividades, oficinas, debates, intervenções e apresentações artístico-culturais para jovens de vários cantos da América Latina. Acompanhe o que rola no Festival pelo site: http://www.fortaleza.ce.gov.br/festival das juventudes.

4 de jun de 2010

Jovens discutem mobilização política no Festival das Juventudes



No segundo dia (04) do I Festival das Juventudes, a discussão sobre as diversas lutas dos jovens na contemporaneidade continuou com a mesa "Mobilização Social: A Participação da Juventude nos Processos de Mudança na América Latina". O debate girou em torno dos modelos de sistemas econômicos e políticos que hoje fazem parte da realidade latinoamericana e a intervenção das juventudes nesses processos.

O debate começou com a fala do representante da Universidade Latino Americana (UNILA), Nilson Araújo, que coloca a América Latina como pólo central de transformação social, em âmbito mundial, diferente de épocas anteriores em que a Europa ditava essas mudanças. Ele citou ainda que os países da América Latina devem se firmar enquanto nações independentes, procurando reverter o quadro atual de transnacionalização.

Pablo Romero, jovem militante do movimento camponês da Bolívia, complementou o diálogo afirmando que os países latinoamericanos devem evitar o processo de recolonização provocado pela instalação de empresas estrangeiras em território nacional. Ele falou ainda sobre a situação da Bolívia, citando a transformação positiva por que o país passou após a implementação da Constituinte, no ano de 2005.

Na mesma linha de discurso, Karine Rodrigues, Vice-Ministra de Juventude do Paraguai, diz que a juventude na América Latina é sinônimo de transformação, lembrando que as juventudes são plurais e multifacetadas, e que elas são capazes de enfrentar modelos de opressão.

Já Renata Moreno, representante da Marcha Mundial das Mulheres, coloca em xeque o neoliberalismo sobre a ótima feminista, citando que não há soberania nacional sem a garantia dos direitos das mulheres. Renata Moreno observa ainda que a internacionalização dos movimentos sociais juvenis é fundamental para construir lutas em comum para impulsionar as transformações de mudanças nas sociedades.

João Paulo Rodrigues, representante dos movimentos sociais da Via Campesina e integrante do Movimento dos Sem Terra, levantou vários desafios para a discussão sobre juventudes no Festival. Dentre as pautas prioritárias, segundo João Paulo Rodrigues, estão a redução da jornada de trabalho para 40 horas, a defesa da educação, o aborto, projetos de desenvolvimento para o Brasil e América Latina, renda e trabalho para as juventudes, arte e cultura na construção desses processos.

Para saber mais sobre tudo o que está acontecendo no I Festival das Juventudes em Fortaleza: América Latina e as Lutas Juvenis, basta acompanhar a cobertura da equipe de comunicação colaborativa do festival pelo site: http://www.fortaleza.ce.gov.br/festivaldasjuventudes.

Juventudes e o protagonismo local

Os estudantes do 6º ano da escola Demócrito Rocha, Celina Dutra, Rodrigo Alves, João Luan e Renato Domingos entrevistaram Daniel Junior, representante da Rede de Jovens do Nordeste. A garotada trocou idéias sobre comunicação, já que o Daniel faz parte de um projeto social em Iguatu chamado Mídia e Cidadania, coordenado por 15 estudantes da Rede Pública, que reúne cerca de 2 mil jovens em torno de atividades de comunicação.


Agência Jovem de Notícias (Catavento)
Comunicação Colaborativa

Jovens estudantes na Comunicação Colaborativa no Festival das Juventudes

Alunos da Escola Municipal Demócrito Rocha

Tenda da Homofobia provoca jovens no Festival das Juventudes


No roteiro de debates do festival das Juventudes os movimentos de LGBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais) ganham espaço na tenda contra a Homofobia.

A proposta é provocar discussões sobre políticas de juventude contra a homofobia, debatendo e aprofundando questões sobre juventudes e sexualidades, identidades e como estas juventudes participam politicamente do combate à homofobia.

Luana Marley, coordenadora da diversidade sexual da Secretaria de Direitos Humanos de Fortaleza (SDH), ressalta a importância deste festival como um espaço transformador social através da juventude apostando na pluralidade e fomentando um pensamento crítico entre jovens como uma ação multiplicadora da luta contra homofobia e no enfrentamento do machismo e do racismo.

A representante do movimento social LAMCE (Liberdade de amor entre mulheres no Ceará) Dediane Souza, está presente na mesa debatendo sobre os direitos que são negados aos LGBT pela orientação sexual e pela diversidade de gênero.

Atenta a esta realidade a Prefeitura Municipal de Fortaleza que aposta na diversidade, está implementando em breve um Centro de Estudos de Pesquisas e Proteção aos Direitos dos LGBT em parceria com a Secretaria dos Direitos Humanos , visando dar suporte a este segmento nas área jurídica, psicológica e da assistência social.

A tenda da Homofobia contribui a partir da discussão do tema LGBT na construção de um espaço livre da homofobia através da informação, a melhor arma na luta contra o preconceito, trabalhando a auto estima, a identidade política, focando o sujeito como cidadão que possa transformar a sua realidade.

Gerusa Rosa (PMF)
Comunicação Colaborativa

Participantes do Festival das Juventudes falam da importância do evento

Maria Helena, estudante do 6º Ano, Ana Assíria e Jamille Domingos, do 7º Ano, conversaram com participantes do evento sobre a importância do Festival das Juventudes. Os entrevistados são: Nika Araújo que trabalha no Projovem Adolescentes, Laura, aluna do clube de dança do Projovem do Parque Genibaú e Assis, estudante de Filosofia da Universidade Estadual do Ceará.


Escute as entrevistas completas abaixo.








Agência Jovem de Notícias
Comunicação Colaborativa

Movimentos Sociais e O Teatro Mágico

A grande identidade entre o projeto O Teatro Mágico e os movimentos sociais se apresentou no final do encontro com Fernando Anitelli, vocalista e idealizador do grupo: as mulheres da Marcha Mundial das Mulheres, ao perceberem que as suas reivindicações estavam presentes no debate, marcaram a sua presença com um dos gritos desse coletivo: "A Nossa Luta É Todo Dia/ Liberdade Não é Pornografia!".

Antes, Gustavo Anitelli, irmão de Fernando e um dos integrantes do projeto, lembrou o machismo que perpassa algumas idéias e práticas dos movimentos. "A gente, às vezes, fica muito imerso nas nossas lutas e esquece de ter uma prática libertária com os outros movimentos também. Ainda não despertamos para a questão da convergência de temas em todos os coletivos", defendeu.

No final da fala, Gustavo, conhecido como o Cabeção d'O Teatro Mágico pelo link que faz do grupo com as bandeiras dos movimentos, lembrou a militância feminista, que teve de lutar para inserir sua pauta nas reivindicações operárias. "A gente tem mesmo que ir pro debate, às vezes tomar umas porradas das companheiras porque ainda a gente ainda é muito machista, nossa formação é", assinalou.

Feira Solidária é realizada durante o I Festival das Juventudes!

Desde o dia 03/06, está sendo realizada a Feira Solidária, com objetivo principal de valorizar e resgatar a cultura cearense e brasileira.

São cerca de mais de 12 barracas, com diferentes empreendimentos, dentre eles: vendas de comidas, livros, roupas, bebidas, artesanatos, bijouteirias, bolsas e muito mais.

“A ideia da feira foi super legal, mas, acho que está pequena e, poderia ser um pouco mais organizada. A comida está uma delícia, e com certeza a feira está valorizando o trabalho da galera”, afirmou Natália Santana, estudante da UFRN.


Já para a artista e feirante Jéssica, natural de Fortaleza/CE, a ideia da feira é muito importante, pois mostra e valoriza os diversos tipos de cultura.

A Feira Solidária acontece até o próximo dia 06 de Junho no CLUBE DA COFECO, durante o I Festival das Juventudes da América Latina em Fortaleza.

Paulo Luiz e Alan Botelho
Cobertura Colaborativa

Tecnologia da Informação e Comunicação também é tema de debate no I Festival das Juventudes de Fortaleza

Na manhã de hoje, a tenda Salvador Allende recebeu o painel “Transformação Social na Rede: Novas Perspectivas de transformação social das novas tecnologias na comunicação”. O debate foi oportunizado por Marcelo Branco, da Organização Campus Party, Fernando Anitelli, do grupo musical O Teatro Mágico, Greg Medeiros, da Escola Sindical da CUT e Gabriel Medina, como coordenação do momento.

A mesa ressaltou as possibilidades de democratização do acesso a comunicação, como também a disponibilização de conteúdos livres: softwares não proprietários e copyleft (produção livre de propriedade intelectual).

Greg Medeiros falou da importância da apropriação da juventude sobre esses conteúdos e de o quanto seria estratégico também para o movimento social aprofundar o conhecimento sobre as novas tecnologias. “Nós da CUT sabemos que isso vem transformado a relação com a base”, completa Medeiros.

O músico Fernando Anitelli ressaltou que o grupo aplica o copyleft aos seus trabalhos e que isso permitiu ao grupo conseguir notoriedade junto ao público, dado ao fato de a mídia comercial não abrir o espaço necessário ao desenvolvimento de produção autoral desligada das grandes gravadoras.

O plenário lotado se mostrou eufórico com a abordagem do tema. Lucas, do Piauí, revelou que desconhecia os trabalhos em software livre, mas que estava bastante interessado em conhecer as plataformas não-proprietárias. “Vou procurar mudar meu computador pra Linux amanhã”, afirmou o jovem.

Rafael Mesquita (IJC)
Comunicação Colaborativa

Brake contagia participantes do Festival

A dança de rua tomou conta da manhã do segundo dia (04/06) do Festival das Juventudes. Adolescentes do ProJovem do Centro de Referência de Assistência Social - Cras Serrinha fizeram uma apresentação de brake, no Espaço Glauber Rocha, contagiando toda a galera que parou para curtir o gingado e a criatividade dos meninos e meninas.

Participaram da apresentação os B.boys Rodrigo, Suck e Jabá, do Cras Serrinha, e a B.girl Lucinha, de Maracanaú. Além da dança de rua, mais 40 garotos e garotas fazem parte das atividades do ProJovem Adolescente do Cras Serrinha. Lá, os meninos participam, também, de oficinas de artes plásticas e teatro.

E para quem quiser saber mais e ver mais apresentações da garotada do brake é só aparecer pelo Festival das Juventudes e se ligar na programação. Não perca!

Amanda Nogueira
Comunicação Colaborativa

Festival discute Políticas, Controle Social e Transparência

No Espaço Dandara, na manhã do segundo dia (04) de atividades do Festival de Juventudes, a discussão foi sobre Transparência Pública e Controle Social. Participaram do debate os jovens que atuam diariamente nos movimentos sociais de lutas. Quem conversou um pouco com a gente sobre a importância do tema foi o ex-Secretario de Transparencia Publica de João Pessoa (PB), Bira.

Bira destacou a necessidade da população jovem em discutir transparência nos gastos públicos, porque os assuntos são, na maioria dos casos, diretamente relacionados às juventudes. 'A juventude precisa refletir o assunto diaramente', relatou o ex-secretário.

Venha e também participe dos debates e atividades que estão acontecendo do Festival de Juventudes!

Alcindo Costa
Comunicação Colaborativa

Diversidades na Arte marca o Festival


Em cada cantinho de terra, nos diversos palcos, as juventudes mostram sua Arte. Dois exemplos que encontramos agora pela manhã é a dança contemporânea do grupo Vynndança, do CRAS Genibaú e Jefferson, um clown que está perambulando por aí divertindo a galera e aquecendo os corações. Não deixe de acompanhar!



LIPE E CAROL - COMUNICAÇÃO COLABORATIVA

Jovens do Hip Hop na luta contra a Exploração Sexual

Flavinho, do Enigma do Gueto, não faz qualquer Rap. Ele é da Rede Aqualera, da prefeitura de Fortaleza e atua contra a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes de uma forma inusitada: por meio do Rap.


Ontem, dia 3, nos primeiros shows do Festival no palco do Espaço Sebastião Salgado, Flavinho arrasou e encerrou com a música "Todos Juntos Contra a Exploração" , que tem o refrão:


Vem que é agora,
pois nós temos o poder
Se desconfia liga logo
não espera acontecer

Então: ligue 100 para denunciar. A ligação é anônima e gratuita.
Não deixe de conferir os próximos shows de Hip Hop no Espaço Sebestião Salgado, hoje, dia 4, a partir das 18hs.
COMUNICAÇÃO COLABORATIVA

Mais de 4,5 mil inscritos no Festival das Juventudes


O I Festival das Juventudes em Fortaleza – América Latina e as lutas juvenis começou ontem (03/06) e já contabiliza mais de 4,5 mil inscritos.

São jovens de todas as regiões do Brasil e de mais 20 países da América Latina que estarão reunidos até domingo (06/06) para debater e realizar intercâmbio de experiências das diferentes formas de organização das juventudes.

O evento já é chamado de “Fórum Social da Juventude”, pela dinâmica de atividades auto-gestionadas, oportunizadas por organizações juvenis, movimento social, poder público e organizações de classe.

Ontem, a abertura oficial do Festival contou com as apresentações das bandas Coda, O Teatro Mágico, Alegoria da Caverna e Os Mutantes.

Durante o dia de hoje, 45 atividades aguardam o público, que se dividirá nas dez tendas temáticas do evento, que homenageiam personalidades de diversos setores, como movimento social, cultura e política, a exemplo de Janaina Dutra (militante LGBT), Patativa do Assaré (poeta popular) e Salvador Allende (político chileno).

Rafael Mesquita (IJC)
Comunicação Colaborativa

Galerinha chegando

O I Festival Juventudes - América Latina e Lutas Juvenis iniciou ontem, dia 3, com a corda toda. Durante todo o dia podia-se ver galeras de todas as partes do Brasil e diversidades, especialmente do interior do Ceára, preenchendo todos os espaços do evento.. O que mais envolveu a galera foram os shows que iniciaram às 18hs e foram até às 3h da manhã.


Confira um pouco dessa juventude que está passando por aqui:



Galerinha Chegando do Interior a Noite



Cristiana Viana,Jerferson nicolas, Alyne Gessick Silva, Max Weber Silva,William Pinheiro, Militantes da Kizomba de Juazeiro do Norte (CE)





Rebeca Bezerra Barbosa, do Movimento Juventude Negra Kalunga (CE)





Auricélia e Rafaela, da Associação Santo Dias (CE)

Alcindo e Carol

COMUNICAÇÃO COLABORATIVA


JPL Realiza plenaria sobre a juventude e as mulheres


Na ultimas quinta-feira, 03 de maio, a Juventude Patria Livre (JPL), realizou uma plenaria durante a I Festival das Juventudes, esta plenaria contou com a presença de mais de 400 pessoas, sendo que 97% eram jovens de Fortaleza, interior do Ceará e de alguns estados do Brasil, como Rio Grande do Norte, Pernambuco.
Nesta plenaria foram discutidos os seguintes temas: a relação da juventude feminina e a sociedade, nos aspectos: movimento estudantil, planejamento familiar, trabalho e educação.
Os jovens demonstraram um grande interesse pelo tema, ao menos foi o que se viu durante os debates.
O evento contou com a presença de Marcia Campos, que atualmente é presidente da Federação Internacional de Mulheres - FEDIM.


Miguel Cavalcante
A Voz do estudante
UMES - Jijoca de Jericoacoara
88 9971-9149

2 de jun de 2010

Atividades do I Festival das Juventudes

 Atividades Festival Das Juventudes

PARA VISUALIZAR MELHOR CLIQUE EM FULLSCREEN NA TELA ACIMA.
O I Festival das Juventudes começa nesta quinta dia 03.jun.2010. Participe!!!

CONFIRMAÇÃO DE INSCRIÇÃO

TODOS QUE REALIZARAM SUAS INSCRIÇÕES PELO BLOG, ESTÃO CONFIRMADOS A PARTICIPAR DO I FESTIVAL DAS JUVENTUDES EM FORTALEZA/CE. É NECESSÁRIO UM DOCUMENTO COM FOTO PARA O CREDENCIAMENTO QUE COMEÇARÁ AS 9H DESTA QUINTA-FEIRA DIA 03.JUN.2010. NÃO ENCAMINHAREMOS CONFIRMAÇÃO VIA EMAIL. FALTA APENAS 1 DIA PARA O FESTIVAL!!! PARTICIPE!!

Comunicação colaborativa

Encenrradas as Inscrições para comunicação colaborativa! O cadastramento para imprensa continua. Para participar do evento, os chefes de redação devem enviar a solicitação para o fax (85) 3105.1446 – em atenção à Coordenadoria de Comunicação – ou para o e-mail karllagadelha@gmail.com Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email , de preferência em papel timbrado da empresa ou por e-mail institucional.